O Comunicador

artigo2Como sempre faço depois do almoço costumo dar aquela sesteada para não dormir em frente ao computador.

É um hábito salutar e evita acordar de sobressalto babando sobre o teclado.

Tinha começado a redação de uma invenção. Era um negócio complicado sobre eletrônica, acho. Não me lembro mais ao certo, quando fui interrompido pela minha secretária, avisando que tinha um cliente me esperando na sala de reuniões para falar comigo. O sujeito tinha telefonado de manhã e marcado uma reunião à tarde, mas a essa altura, eu já tinha me esquecido por completo desse encontro. No entanto, interrompi o meu trabalho e fui conversar com o possível cliente.

Apresentações feitas: fomos ao que interessa.

— No que eu posso lhe ajudar? — perguntei.

— Tenho uma invenção que vai revolucionar a humanidade — respondeu.

— Que interessante! Do que se trata? — indaguei em seguida, — mas, cá com os meus botões, pensei: lá vem chumbo grosso.

— É um comunicador — sentenciou o homem.

— Muito bem! É uma novidade? Um aperfeiçoamento? Como ele é? Você já tem um protótipo?

— Não, ainda não construí um — respondeu.

— Não tem importância! Tem desenhos, esquemas, algum texto que eu possa ler para entender como ele funciona? — ponderei.

— Não. Não tenho nada ainda, mas eu vou te explicar. Não é difícil de entender.

Ao ouvir essa resposta soltei o corpo para trás na cadeira e fiquei esperando à pancada.

— Trata-se de um comunicador intergaláctico! É para me comunicar com os ET´s — proclamou o homem sem remorso algum.

Num caso com esses, a coisa mais difícil é manter a tranqüilidade. Respirei fundo e lasquei:

— Sem dúvida uma novidade. Como vai funcionar?

— Muito simples — respondeu. Minha idéia é construir um capacete ligado a um transmissor.

Fiquei só olhando para o sujeito que continuou a falar.

— Os meus pensamentos vão ser convertidos em um sinal e esse sinal é transmitido pelo transmissor para os ET´s.
Até então eu tinha mantido a compostura necessária para um trabalho desses, mas não consegui me conter e disse:

— Você está de brincadeira!

— Não! — respondeu o homem. É um assunto muito sério. Eles têm se comunicado comigo e eu não tenho como responder para eles. Por isso pensei em fazer um comunicador para isso.

Fiquei atônito olhando para o sujeito sem saber o que fazer: rolar no chão de tanto rir, sair correndo porta a fora...No entanto, me contive e perguntei serenamente:

— Diga-me uma coisa? — perguntei. Esse aparelho vai apenas transmitir as tuas mensagens ou vai receber também?

— Apenas vai transmiti-las, — respondeu.

Ufa! — pensei eu, pelo menos o aparelho não é só Pai de Santo.

— Então, — ponderei com o cliente, — não se trata de um comunicador. É apenas um transmissor.

— Mas eu tenho outra idéia — disse.
Sabe quando a gente fica com aquela cara de pastel: olhando sem ver nada, cabeça completamente oca. Pois bem, era como eu estava. No entanto, a essa altura eu já estava muito curioso para saber qual era a do sujeito, e perguntei:

— Qual é essa outra idéia?

— Muito simples. Faço uma outra caixa que é o receptor. Quando os ET´s vierem me visitar eles levam a caixa para o planeta deles. Aí posso me comunicar com eles sempre que quiser.

A essa altura da prosa eu achei que já era demais.

— Agora já é gozação. Tenho mais o que fazer.

Levantei-me, dirigi-me à porta e, gentilmente, disse que não era possível de patentear o invento dele.

Meio contrariado o sujeito foi-se embora.

Voltei para meu antigo relatório, mas a concentração já tinha ido para o espaço, junto com os ET´s é claro. Eu não sabia se o cara tinha ido ao meu escritório só para tirar um sarro da minha lata, ou se o assunto era mesmo sério. Para ele, é óbvio.

Depois de um tempo, consegui retomar o meu trabalho. No final da tarde recebi uma ligação:

— Engenheiro! — falou o rapaz do comunicador intergaláctico. Vou te deixar o meu telefone se você mudar de idéia.
Fiquei mudo.

 

Para ler outros artigos do Blog do Felippe use este link.

[ Voltar ]

 

Solicite Atendimento