Aconteceu na Marca Brazil

artigo1Seu Antenor entrou na sala decidido. Ele era um homem de estatura baixa, bem forte para a idade, atarracado e cabelo cortado escovinha. Gostava de luta livre e dizia ser muito bom com arma branca e de fogo.

— Tenho uma invenção que vai acabar com os assaltos às agências bancárias.
Sorvi o mate com cautela, pois, para um cara que esgana um bando de assaltantes só com as mãos, todo o cuidado é pouco.

— Diga lá seu Antenor! Qual é a novidade? — perguntei abruptamente enquanto roncava o mate.

— O grande problema das agências bancárias é quando ocorre um assalto — disse o inventor com a segurança de quem contabilizaria muitas horas de experiência.

— Como assim?

— Os vagabundos entram dentro da agência com as armas em punho ameaçando todo mundo. E o que os seguranças fazem? Nada — respondeu seu Antenor a sua própria pergunta. Os guardas têm ordem de não reagirem em um caso como esse para não por em risco a vida dos clientes.

— Parece que evitar expor os clientes a uma situação de risco de vida é o mais adequado — ponderei. E além disso, existem as portas giratórias com detectores de metal.

— Estas portas não servem para nada, pois os guardas liberam o botão para mulheres e pessoas mais velhas. Já vi um caso de assalto onde uma falsa grávida entrou no banco com uma arma escondida na barriga. O guarda liberou a porta e ela rendeu o cara. Aí, junto com os outros comparsas que já estavam dentro do banco, fizeram o assalto.

— Isso é um caso isolado. Não serve como média.

— Também os ladrões podem entrar atirando. A porta trava e o cara saca a arma e arrebenta os vidros à bala.

Pensei em contra-argumentar, mas resolvi ouvir o inventor. Afinal das contas, ele era “o cara”.

— Bem! — E qual é a sua ideia?

— Aperfeiçoar as portas giratórias, é claro.

A experiência traz algumas vantagens, como, por exemplo, se preparar para grandes impactos. Ofereci um mate para o Antenor que o recusou. Não gostava dessa beberagem amarga.

— No que consiste essa melhoria?

— Vamos manter essas portas que já estão aí por questões de custo, mas vamos construir um alçapão debaixo delas.

— Como assim! Um alçapão?

— Sim! Um alçapão. E que pode ser aberto ao comando dos guardas que vigiam a porta.

— E o que acontece então?

— O alçapão dá acesso a um quarto de segurança debaixo da porta do banco.

— O cara cai nesse quarto? — indaguei estupefato.

— Exatamente! Se a porta giratória acionar o sistema de trava e o ladrão sacar a arma para arrebentar os vidros, o alçapão se abre e o bandido vai cair dentro de uma cela abaixo da porta.

— “Isso é gozação” — pensei com meus botões. Acontece às vezes. Tem gente que não tem o que fazer e passa trote ao telefone, chama a Brigada sem necessidade e essas coisas. Mas, analisei bem seu Antenor, e ele não parecia ser tão bom ator para disfarçar desse jeito. Resolvi continuar.

— Seu Antenor, o cara vai cair num quarto debaixo da porta. Que fundura (boa essa) tem esse buraco?

— Normal, uns três metros.

— O ladrão vai se quebrar todo, pode até morrer. O banco vai ser acionado judicialmente — poderei.

— Ele não vai se machucar, pois toda a cela vai ser acolchoada — respondeu prontamente o inventor.

Deixei a mente em divagações por uns instantes, pensando naquela senhora que vai ao banco pegar sua aposentadoria. Saia rodada, óculos, cabelo bem arrumado num coque, sapato com salto baixo. Imagina: a avó da gente. A porta falha e despenca a velha lá de cima para dentro da cela. Os guardas vão investigar e encontram a velha com o vestido virado, toda escabelada, sem um dos sapados e aos berros, dentro do quarto para louco.

— Mas seu Antenor! — ponderei, retomando o assunto. Se a porta falhar com uma gestante, um aposentado, criança etc., e a pessoa cair dentro da cela. O banco vai pagar os tubos em indenizações. Nenhuma agência vai correr esse risco com os clientes.

— Não tem falha! Por isso que já tenho passagem marcada para Brasília para falar com o diretor do Banco Central para mostrar a minha invenção.

O assunto era sério mesmo. Resolvi fazer o relatório.

Essa porta rendeu mais patentes.

 

Para ler outros artigos do Blog do Felippe use este link.

[ Voltar ]

 

Solicite Atendimento